quarta-feira, 3 de junho de 2009

A farsa do orçamento participativo

A população tem de ser ouvida em seus anseios e necessidades, isto é uma condição irrefutável, porém analisei os dizeres (santinhos) dos candidatos a vereador da coligação que apóia o candidato a prefeito da coligação encabeçada pelo petismo municipal e um fato me chamou a atenção: a grande maioria participou de alguma maneira do chamado orçamento participativo (OP).
Questionei-me: se estes, quase 100%, fazem ou faziam parte do OP, quem são os restantes que participam deste simulacro? Quando outros participam, até onde tem poder de decisão ou algum outro tipo de interferência de fato e de direito? Até onde pais de família deixam seus lares para participarem de reuniões (cansativas e monótonas), geralmente no período noturno?
Este que na verdade é uma operação trapaceira de participação popular para cooptar eleitores, não tem respaldo legal, pois, o que é realmente Lei (peça orçamentária) discutida e aprovada pela Câmara de Vereadores não é na maior parte executada pelo petismo palaciano municipal. Se assim fosse, nas decisões do OP o Hospital Municipal já estaria de pé e funcionando.
Se os vereadores não tivessem prerrogativa em relação à peça orçamentária o poder de discutir, modificar, entre outras, passaria os vereadores a serem apenas subservientes as ordens do Prefeito, este que tem entre seus homens, justamente os cabos eleitorais explícitos, com cargos de confiança na prefeitura ou candidatos a vereador, manipulando e “coordenado” o OP.
No caso dos vereadores desta gestão será que existem os subservientes? Alias, tem vereador governista que já promete melhorar o OP e não o fez em quatro anos de poder. Fica a pergunta: por que? Vale lembrar os outros quatro anos que trabalhou justamente na coordenação do OP (não é Laudelino?). É muita incompetência para ganhar muito dinheiro!
O abismo entre o OP e a peça orçamentária (Lei de fato) demonstra a falta de um planejamento estratégico eficaz.
Com uma devida desculpa aos leitores em relação ao erro de concordância verbal nesta frase final, na oposição e nos discursos o partido e a administração petista podem ser chamados de “latinha”. “Latinha” coerência, “latinha” princípios de honestidade, "latinha" princípio de ética, "latinha" projetos eficazes ... .

2 comentários:

  1. Prezados amigos
    Há muito venho lendo e vendo o que tem acontecido no Brasil com relação aos nossos políticos. Não passa um dia sem que haja uma denuncia de atos de corrupção, falta de ética, e imoralidade por parte de nossos governantes.
    O Presidente Lula recentemente em defesa do Senador José Sarney definiu que no Brasil existem dois tipos de cidadãos. Aqueles para os quais não existe lei ou Constituição e os demais que estão submetidos aos rigores da lei.
    Aqueles que sofrem nas filas do SUS, ficando internados em macas nos corredores dos hospitais e aqueles que se tratam nos melhores hospitais do país com a melhor equipe médica. Em ambos os casos o contribuinte paga.
    É chegada a hora de parar de reclamar e partir para a ação antes que seja tarde demais.
    Minha proposta e que comecemos em conjunto a pensar numa ação coordenada para o dia 7 de setembro de 2009. É o dia em que comemoramos a independência de nossa pátria, a libertação de nosso povo. Não há momento melhor do que este para um protesto contra a pouca vergonha, os desmandos do governo e o fato de que pouco a pouco estamos perdendo nossa liberdade e democracia.
    Sugestões para o email laguardia,luizf@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Comemorando o 7 de Setembro

    Me desculpem os leitores que já se manifestaram por repetir a mensagem.

    Aproveitando a idéia da Passeata Virtual Fora Sarney, faço aqui a sugestão de que no dia 7 de Setembro de 2009, façamos outra passeata virtual, nos organizando desde já.

    Esta passeata, como a Fora Sarney, começaria no seu computador e terminaria em vários pontos:

    Na presidência da República, No Congresso Nacional, No Supremo Tribunal Federal, na Procuradoria Geral da União, na Assembléia Legislativa de seu estado, no Palácio do Governo do seu estado, na Câmara de Vereadores de sua cidade e na Prefeitura de sua cidade.

    A idéia é enviar o maior número possível de emails de protesto contra a situação atual, da falta de ética, de moral, de honestidade de nossos governantes e parlamentares.

    Denunciaremos o governo federal por agir a margem da lei com a campanha eleitoral antecipada, o que é ilegal, e exigindo, como cidadãos, que fossem tomadas as devidas providências.

    Os e mails seriam mandados para os seguintes enderêços:

    Senado Federal: Alô Senado http://www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/?page=alo_sugestoes&area=alosenado

    Câmara Federal: Fale com o deputado: http://www2.camara.gov.br/canalinteracao/faledeputado

    Supremo Tribunal Federal – Central do Cidadão - http://www.stf.jus.br/portal/centralCidadao/enviarDadoPessoal.asp

    Procuradoria Geral da União - pfdc@pgr.mpf.gov.br

    Presidência da República – Fale com o Presidente - https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php

    Gostaria de ter a opinião dos leitores com relação a idéia.

    ResponderExcluir